Volta Redonda ganha seu primeiro Museu

24/02/2012 20:20

 

Cultura
   

Publicada em 24 de fevereiro de 2012 - 9 h 55 
 

Foto: Clube Foto

 

O Museu da Memória do Trabalhismo Brasileiro não é mais um projeto. Agora é realidade, através do edital 021/2011 da Superintendência de Museus da Secretaria Estadual de Cultura. Depois de anos de expectativa, a atual diretoria do Clube Foto de Volta Redonda, que há cinco anos assumiu a cadeira com o objetivo de ser um guardador da memória da cidade, além de ter reformado e, reformulado as instalações da casa, se orgulha de apresentar oficialmente agora, com amparo do governo estadual, o título a que ele muito bem faz jus.

Sempre se soube que o processo de industrialização do Brasil tem suas raízes plantadas na Cidade do Aço. Sob esse apelo a bandeira da diretoria tem sido levantada. Um Clube que nasceu por causa da fotografia, que já estava de pé antes da emancipação de Volta Redonda e cujos fundadores eram trabalhadores da Companhia Siderúrgica Nacional CSN; ou seja, construtores desse progresso tão evidenciado na história. Nada mais justo do que existir aqui, um museu que conte essa história através da fotografia. A presidente do Clube Foto, Kika Monnteiro, explica: “O nosso Museu vem recebendo doação de imagens, fotos e documentos que contam a história da cidade e seus tralhadores desde o nosso primeiro dia de gestão. Agora, sob a chancela do governo estadual e com o reconhecimento do IBRAM (Instituto Brasileiro de Museus), a força da eternização dessa nossa história fica ainda mais legitimada com a dinamização do museu”, se orgulha.

Kika fala ainda do conteúdo do projeto que se tornou realidade para as próximas gerações de Volta Redonda. “Queremos a preservação da história de Volta Redonda e da memória do trabalhismo brasileiro. Através de exposições permanentes e itinerantes, digitalização e catalogação de fotografias e documentos históricos, levaremos a história para além do museu”.

E acrescenta: “A proposta é disponibilizar um acervo fotográfico dinâmico para a comunidade, com a colaboração de instituições públicas e privadas, ex-operários e da população – construtores da história da cidade e da CSN, primeira grande indústria do país. Vamos continuar com a nossa campanha para captação de imagens para enriquecer ainda mais nosso acervo. Agora fazemos parte oficialmente do cadastro nacional de Museus do IBRAM e logo, qualquer brasileiro que queira ver mais da nossa recente história, terá a fonte ao alcance das mãos”, promete a presidente.